sexta-feira, 29 de dezembro de 2006

Diálogos

- Faz-me confusão que, tendo tu já mais de trinta anos, os teus pais não saibam que fumas.

- Já reparaste que, quando passas muito tempo com uma pessoa, é como se ela deixasse de ter corpo? Deixa de ser bonita ou feia, gorda ou magra; passa a ser apenas aquela pessoa. Deixamos até de perceber diferenças físicas.

- Porque é que fazes isso? Decorre um momento de silêncio em que estamos com os nossos pensamentos e, quando eu digo alguma coisa, tu ages como se eu não tivesse falado e dizes outra coisa qualquer. Eu sei que deve ser na sequência do que estavas a pensar, mas não é simpático ignorares totalmente o que eu disse.

- Desculpa, é completamente instintivo. Mas eu ouvi o que disseste, sobre os meus pais não saberem que eu fumo. Acho que já passei a idade de lhes dizer.

- É verdade, quando te habituas a ver uma pessoa, ela deve passar para outra região qualquer da memória. Mesmo que inicialmente aches seja bonita ou feia, acabas por deixar de perceber isso bem. É aquela pessoa e pronto, o aspecto físico deixa de ter significado.

- Outra coisa é o toque. Não sei se sentes isso, mas a sensação das primeiras vezes que cumprimentas uma pessoa com contacto físico, um aperto de mão ou um beijinho, muda com a frequência do contacto. Acho que no limite, será como se fosses tu próprio a tocar-te. A minha teoria é que para um casal que já esteja junto há várias décadas, a sensação do toque do outro será a mesma do próprio.

- Acho que nunca passa a idade de se ser sincero. E a verdade é que eles são bem capazes de já saber, ou pelo menos desconfiar.

- Pois, isso é capaz de ser tudo verdade, mas tu nunca mais vais ter a sensação de fumar um cigarro às escondidas.

- Eu acho que cada pessoa tem algo como uma assinatura energética única que é minimamente perceptível ao toque. E sim, acho que é um fenómeno semelhante. Quando te habituas à assinatura energética de uma pessoa começas a senti-la menos.

- Acho que faz bastante sentido.

- Pois é... Nunca mais...

- ...

- ...

segunda-feira, 18 de dezembro de 2006

Vida

Barco à deriva,
Ao sabor das ondas,
À mercê dos ventos,
Entregue às correntes.
O barqueiro invoca todas as suas forças,
Estoicamente, agarra-se ao leme,
Mas é uma minúscula embarcação.
Que pode ela fazer contra a força dos elementos?
Que pode o barqueiro fazer?
Contra os demónios que o atormentam,
Contra os pensamentos que não o largam,
Contra as emoções que o arrebatam.
Fará o que pode,
Confiará na boa vontade dos gigantes.
Continuará agarrado ao leme.
Qualquer que seja a costa,
Qualquer que seja o porto,
A que os ventos o entreguem,
Render-se-á a seu talante,
Apenas pode tentar,
Tentar não naufragar.

sábado, 16 de dezembro de 2006

Diálogo

- Estás a dormir?

- ...

- Estás, não estás?

- ...

- Não faz mal, é quando consigo falar melhor contigo. Gosto muito de ter estes momentos para falar contigo. Acho que conseguimos mesmo estabelecer uma ligação, um entendimento.

- ...

- É isso. Sabes, tenho andado um bocado farto de tudo. Não ando deprimido nem nada, só um bocado desanimado. E já sei o que estás a pensar, ficas logo a pensar que já não te amo ou qualquer coisa assim. Não é nada disso, acho que, apesar das nossas divergências, conseguimos fazer a coisa resultar e estou muito satisfeito com o que construímos. O que me apetecia era mudar de vida, mudarmo-nos para outro sítio, para o campo, talvez...

- ...

- Eu sei, eu sei, tens muito medo das mudanças, mas eu preciso tanto delas, não consigo aguentar muito tempo a ter dias sempre todos iguais, ano após ano. E além do mais, estamos na era da comunicação. Ir viver para outra cidade, ou até mesmo para outro país, não é a o que era. Agora é muito fácil manter o contacto com as pessoas de quem gostamos. A província... apetecia-me mesmo deixar a cidade. Ir viver para uma aldeiazita recôndita num canto qualquer lá para o Norte. Viver da terra e tal.

- ...

- Não precisas de dizer, eu sei que iamos sentir falta dos concertos, da cultura, do cais... mas podíamos sempre vir passar um fim-de-semana ou umas férias a Lisboa. Já imaginaste? A paz, as estrelas, os grilos, o ar puro... o verde... Acho que não sentiria falta de nenhuma comodidade, cada vez estou mais desligado delas. Aliás, tenho a certeza que iamos chegar à conclusão de que não precisamos da grande maioria das coisas sem as quais achamos que não conseguiriamos viver felizes.

- ...

- Pelo menos não estás já a arranjar argumentos sem sentido, é uma das razões que faz com que seja muito mais fácil falar contigo nestas circunstâncias, parece que entendes melhor as coisas, que a conversa é muito menos tortuosa. Pelo menos não vens logo com as tuas ideias preconcebidas e os teus estereotipos, com a tua mania de que o mundo tem que ser exactamente aquilo que o teu discernimento te permite inferir dele. E fico muito contente por não estares já a destruir a minha ideia. Até acho mesmo que, já que não te estás a opor, devíamos vender a casa e comprar um terreno na província. Plantarmos a nossa horta, tudo biológico, claro, até podíamos ter uma cabra para dar leite...

- ...

- Já nos estou a imaginar, a passar os serões envolvidos pelos cheiros da natureza, ver a Lua aparecer por detrás do monte, com os cães e os gatos à nossa volta. Eu podia escrever, tu podias fazer aquelas esculturas horríveis e inúteis que tanto gostas de fazer, e a vida seria boa. Não é um belo pensamento?

- ...

- Nem imaginas como fico contente por não discordares. Está decidido então, amanhã pomos a casa à venda e vou começar a procurar um terreno com uma casita para comprarmos. Agora só espero que amanhã não me venhas com as tuas mudanças de opinião da noite para o dia!

terça-feira, 12 de dezembro de 2006

Definição de ... enxergar


v. tr.,
ver a custo, com dificuldade;
entrever;
divisar;
avistar;


fig.,
pressentir
;
adivinhar;
perceber;
entender.

quarta-feira, 18 de outubro de 2006

Piada triste

É curioso como conseguimos achar hilariantes coisas que na vida real seriam muito tristes. O que eu deliro com as cenas do Basil Fawlty, quando debita mentiras atrás de mentiras, tapando umas com as outras; ou aquela cena do George Constanza quando está a fazer o teste de QI, em que todas as evidências estão contra ele e ele continua a mentir, vale tudo menos admitir a verdade, isso nunca! Mas na vida real não tem absolutamente piada nenhuma estarem a mentir-nos descaradamente.
Outra cena que talvez tivesse piada seria um elemento de um casal professar o seu amor pelo outro e em resposta receber desconfiança. Acho que até seria cómica uma frase do tipo "achei muito estranha a tua intervenção, pareceu-me apaixonada demais...", mas na realidade não tem mesmo graça.
É estranho acharmos piada a coisas tão tristes.

quinta-feira, 3 de agosto de 2006

Sentimentos

"A mais conhecida das recomendações de Espinosa no que respeita a viver uma vida bem vivida consistia numa prescrição dupla: um sistema de comportamento ético e um estado democrático. Mas é evidente que não pensava que obedecer a regras éticas e obedecer às leis de um estado democrático fosses suficientes para atingir as formas mais elevadas de contentamento, a alegria sustenida que, para ele, se confunde com a liberdade e com a salvação humana. A minha impressão é que a maior parte dos seres humanos de hoje também não acha suficiente essa dupla prescrição. Pretendemos que a vida nos dê qualquer coisa que vai para além de uma conduta moral e legal, para além das satisfações do amor, da família, das amizades e da boa saúde, para além das recompensas que resultam do trabalho (satisfação pessoal, aprovação dos outros, honra, dinheiro), para além da indulgência dos prazeres privados e da acumulação de posses e para além da identificação com um país ou com a humanidade. Muitos seres humanos requerem também qualquer coisa que envolva uma certa clareza sobre o significado da vida. Esta necessidade, articulada com nitidez ou de forma confusa, pouco importa, consiste num anseio de conhecer uma origem e um destino, de onde viemos e para onde vamos, e de esclarecer a finalidade que a nossa vida pode ter para além da existência imediata.
Nem todos os seres humanos têm tais necessidades. Aquilo de que um ser humano precisa para viver feliz varia consideravelmente com a personalidade, inquisitividade e circunstâncias socioculturais, já para não falar nas diferenças que têm a ver com a idade e com o tamanho da conta bancária. A juventude dá-nos pouco tempo para apreciar as limitações da condição humana, e a riqueza encobre muitas dessas limitações. E para quê pedir mais que juventude, saúde e boa fortuna, dirão alguns? Mas, para aqueles que reconhecem um tal anseio, vale a pena perguntar por que razão querem atingir qualquer coisa que não parece particularmente fácil e pode até nunca ser atingida. Por que razão são os tais clareza e conhecimento extras assim tão desejáveis?
Podíamos começar a resposta dizendo que o tal anseio é um traço profundo da mente humana. Este traço está enraizado no desenho do cérebro humano e no genoma que permite o desenvolvimento desse cérebro, como os traços profundos que nos levam, com grande curiosidade, a explorar sistemáticamente o nosso próprio ser e o universo que nos rodeia, os mesmos traços que nos impelem a construir explicações para os objectos e situações desse universo. A origem evolucionária do anseio é inteiramente plausível, mas é necessário evocar um outro factor para perceber a razão por que a natureza humana incorporou esse traço. Creio que esse outro factor estava já presente nos primeiros seres humanos, tal como está presente hoje em dia. A sua consistência tem a ver com o poderoso mecanismo biológico que lhe está por trás: o mesmo esforço natural de auto-preservação que Espinosa articula tão transparentemente como uma essência dos nossos seres, o conatus, é posto em acção quando somos confrontados com a realidade do sofrimento e, especialmente com a realidade da morte, real ou antecipada, nossa ou daqueles que amamos. A perspectiva de sofrimento e morte compromete o processo homeostático de quem os confronta. A procura de auto-preservação e do bem-estar responde a este compromisso como uma tentativa de evitar o inevitável e regressar assim ao equilíbrio. É uma tentativa árdua que nos leva a procurar estratégias compensatórias para a homeostasia perdida. A partir do momento em que reconhecemos essa situação desenvolve-se em nós um profundo pesar.
Uma vez mais, nem todos os seres humanos reagirão deste modo, por uma razão ou por outra, numa altura da vida ou noutra. Mas os seres humanos que reagem da forma que descrevi, quer consigam ou não resolver o impasse e recuperar o equilíbrio, reconhecem a dimensão trágica desta situação, bem como o facto de que é exclusivamente humana.
Tanto quanto a consigo entender, esta situação resulta, em primeiro lugar, do facto de termos sentimentos - não apenas emoções, mas sentimentos -, em particular os sentimentos de empatia, através dos quais tomamos conhecimento da nossa simpatia emotiva natural para com os outros. Nas circunstâncias apropriadas, a empatia abre as portas ao pesar. Em segundo lugar, a situação resulta de dois dons biológicos, a consciência e a memória. Partilhamos consciência e memória com outras espécies, mas não há dúvida que a consciência e a memória atingem um grau e uma sofisticação extraordinariamente grandes nos seres humanos. No sentido estrito da palavra, a consciência significa a presença de uma mente com um si, mas, em termos práticos, a palavra significa qualquer coisa mais. Com a ajuda da memória autobiográfica a consciência permite-nos ter um si enriquecido pelas recordações da nossa própria experiência individual. Quando enfrentamos cada novo momento da nossa vida, como seres conscientes, influenciamos esse momento com as circunstâncias das alegrias e tristezas passadas, bem como as circunstâncias imaginárias do nosso futuro antecipado, essas circunstâncias futuras que, presumivelmente, nos trarão mais alegrias e mais tristezas.
Se não fosse este nível tão alto de consciência humana, nunca haveria angústia notável, agora ou no amanhecer da humanidade. Aquilo que não sabemos não nos pode ferir. Se tivéssemos o dom da consciência mas não nos tivesse sido dada a memória, também não teríamos qualquer angústia. Aquilo que sabemos, no presente, mas somos incapazes de colocar no contexto da nossa história pessoal, apenas nos pode ferir no presente. É a combinação destas duas benesses, a consciência e a memória, bem como a sua abundância, que causam o drama humano e que conferem a esse drama o seu estatuto trágico. Felizmente para nós, esses mesmos dons são também a fonte da alegria sem limites e da glória humana que lhe corresponde. Felizmente que viver uma vida bem examinada é também um privilégio e não apenas uma maldição. Nesta perspectiva, qualquer projecto de salvação humana - qualquer projecto capaz de tornar uma vida examinada numa vida feliz - deve incluír meios para resistir à angústia causada pelo sofrimento e pela morte, meios para suprimir a tristeza e para a fazer substituir pela alegria. A neurobiologia da emoção e do sentimento diz-nos, em termos bem sugestivos, que a alegria e as suas variantes são preferíveis à tristeza e às suas variantes, que a alegria leva mais facilmente à saúde e ao florescer criador. Não parece haver aqui qualquer equívoco: devemos procurar a alegria por decreto assente na razão, mesmo que a procura pareça tola e pouco realista. Para aqueles que não têm fome e que não vivem sob um regime opressivo, é necessário compreender que estar vivo é um privilégio."
in Ao encontro de Espinosa, Manuel Damásio


Acha o Sr. Damásio, e na minha opinião faz todo o sentido, que todos os mecanismos que conseguímos que evoluíssem no nosso cérebro humano, mais precisamente o sentimento a que ele chama "si" (self), foram despoletados pelo instinto natural de auto-preservação, presente em todos os seres, até mesmo nos unicelulares que, coitaditos, nem sequer podem sonhar em ter um sistema nervoso.
Ou seja, toda a nossa consciência e engenho humanos, não foram mais do que ferramentas que a evolução nos ofereceu para melhor nos preservarmos. Para melhor atingirmos o que todos os seres viventes procuram: o bem-estar. Mais que a simples neutralidade, não estar bem nem mal, todos os seres procuram o conforto.
Pergunto-me se a natureza não terá errado no nosso caso. Creio que a um nível mais primitivo o sentimento de si terá sido uma óptima ferramenta para não só sobreviver, como encontrar o bem-estar. Acho no entanto, que o nível de evolução que atingimos já não nos ajuda tanto a atingir tal meta. Estamos no ponto em que a consciência associada à memória já nos trazem mais pesar que alegria. Estamos no ponto em que começámos a achar que a ignorância é uma benção ("Aquilo que não sabemos não nos pode ferir").
Gosto de acreditar que é um passo necessário para o que virá depois, que temos que passar por isto para evoluír mais além. Até ao ponto de ser realmente possível para um ser humano, atingir a plenitude. É pena é que para isto tenhamos, eventualmente, que evoluír para além dos sentimentos.

quarta-feira, 26 de julho de 2006

Memória

Trocar de telemóvel é sempre uma experiência algo traumática. Ter que arranjar espaço na memória do cartão para todos os contactos que estão na memória do telefone é angustiante. É um misto de sentimentos, quase como reviver o passado. Há os fáceis, relações profissionais antigas, que são eliminadas com a maior ligeireza, números de pessoas que já não faço a mais pequena ideia quem sejam, que apesar de provocar uma sensação estranha, também são apagados com bastante tranquilidade. O pior é quando chegam aquelas pessoas que, apesar de ter perfeita consciência que nunca lhes vou telefonar e que, provavelmente até já apagaram o meu número da lista, não consigo deixar de sentir que estou a apagar uma parte do meu passado, que estou a apagar completamente uma pessoa da minha vida. É verdade que, se não tivesse que rever os meus contactos, nunca mais me iria lembrar que tais pessoas existiam e que uma vez se cruzaram comigo; mas mesmo não estando na minha memória, estavam lá, na memória daquele cartãozinho, e apagá-los daí é o mesmo que eliminá-los completamente da minha vida.
Há que encaixar que a vida não nos permite ter um número ilimitado de amizades, e saber cultivar as que temos. E eu dou-me por muito contente por as que ela me permite ter serem do melhor que há!
Seja este post uma homenagem a todos os que foram apagados da memória do meu cartão SIM e a todos os que não precisam de lá estar. Bem hajem!

quinta-feira, 22 de junho de 2006

Palmas!

Palmas para aquele que largou tudo e foi para Amesterdão perseguir a sua carreira como tocador (solista!) de digeridoo (ainda lá deve estar, com a sua cartola para os trocos... e que belos sons tira ele do instrumento!).
E já agora... algumas para aqueles que lá foram e o único museu que visitaram foi o de instrumentos de tortura.

segunda-feira, 5 de junho de 2006

Irreal

Sou irreal, surreal,
Não pertenço ao mundo real
Nem sei se realmente existo
Ou se apenas sou transparente,
Invisível a olho nu…

quarta-feira, 31 de maio de 2006

Compreensão

Será assim tão difícil distinguir a timidez da antipatia?
Será talvez difícil se não tivermos o (bom) hábito de nos colocarmos no lugar de outra pessoa antes de a julgarmos ou criticarmos. Eu até compreendo que, se uma pessoa não nos cumprimenta ou não estabelece um diálogo, o instinto será considerarmos a pessoa antipática e anti-social. No entanto, se fizermos o exercício de nos colocarmos na pele dessa pessoa, acho que não será complicado descobrir outras possíveis razões para a aparente anti-sociabilidade. Uma das quais a timidez.
Falo desta questão em particular porque creio ser por vezes vítima dela; mas a verdade é que, de forma geral, se antes de julgarmos alguém pela nossa perspectiva, tentarmos fazê-lo da perspectiva de quem estamos a julgar, fará com que o nosso julgamento não seja tão tendencioso. Se uma pessoa faz qualquer coisa que nos parece absurda, antes de a rotularmos como absurda, devemos pelo menos tentar compreender o que leva uma pessoa a fazer algo que nos parece tão absurdo. Acredito que na maioria das vezes chegaremos à conclusão que, se calhar, a atitude nem foi assim tão descabida. Numa palavra: compreensão.

segunda-feira, 22 de maio de 2006

Pergunto-me... #2

Lá está ele outra vez! Se eu tivesse tendência para a paranóia diria que me persegue, mas sei que não. A razão pela qual o encontro aqui em vez do local habitual é exactamente a mesma que também me faz estar aqui: é Domingo e o outro café está fechado. E se o encontro sempre que vou ao café não é porque me persiga, a razão é muito mais simples: ele está sempre lá.
Agora que aparentemente deixou de beber álcool fico ainda mais intrigado quando decido observá-lo. Não que ache errado, até acho muito bem que tenha deixado de beber álcool, mas deixa-me mais dúvidas sobre o que o traz aqui. Sobre o que o leva a passar a vida sozinho no café.
Inquieto, demonstrando alguma ansiedade. Esse sentimento absurdo que nos faz querer apenas fazer o que não estamos a fazer, estar onde não estamos, embora nunca nos elucide sobre o que queremos fazer ou onde queremos realmente estar.
Talvez por ter consciência que é apenas um sentimento absurdo que não se esvai por fazermos outra coisa ou irmos para outro sítio, fica ali, agitando nervosamente os pés, como quem ouve musica mentalmente, sozinho.
Porque é que ele, sendo já bem conhecido no sítio, quase que fazendo já parte da decoração, não fala com ninguém?
Porque é que não traz um livro? Porque é que não lê um jornal? Porque é que se limita a existir ali?
Pergunto-me o que é que pode esvaziar assim a vida de um homem.

quarta-feira, 17 de maio de 2006

Religião = Discriminação

Será possível que não haja nenhuma religião que não discrimine as mulheres? Não consigo compreender como é que elas conseguem submeter-se a isso. Como é que ainda não surgiu uma religião alinhada com os nossos tempos. E não me venham com as tretas do budismo porque também nunca vi uma monja budista!

Oh malfadado ópio do povo!
Oh miserável conforto das massas que embruteces o ser humano!
Oh cegueira maldita que estagnas o mundo!
Desprezo-te com todo o meu espírito, viva ele eternamente ou morra com o meu corpo!

terça-feira, 9 de maio de 2006

Orgulho

Deve ser das coisas mais difíceis na vida. Bom, isso e talvez retirar sozinho e sem anestesia a chave que abre a máscara mortífera que o psicopata nos colocou, chave essa que se encontra alojada por trás do nosso olho... Desculpem, vi o Saw II há muito pouco tempo... Falo de sermos mais fortes que o nosso orgulho. É mesmo muito difícil conseguirmos ser mais fortes que o nosso orgulho, mas o facto de ser difícil só traz mais mérito a quem consegue. Eu compreendo que sentirmo-nos humilhados ou injustiçados nos corroa por dentro, mas acho que só temos a ganhar se conseguirmos ultrapassar estes sentimentos sem nos submetermos à vontade do nosso orgulho. Pensem naquilo de que já nos privámos, que já sofremos, que já fizemos sofrer os outros, nas atitudes absurdas que já tivemos por causa do orgulho. Não teria sido melhor se tivéssemos tido a capacidade de o vencer? Não teríamos sido muito mais felizes? Não nos teríamos sentido melhor connosco próprios? Pessoas melhores, mais sensatas? Eu sei que não é fácil ignorar aquela vozinha que nos diz que estamos a ser tansos, que toda a gente vai pensar que somos uns totós. Mas o que é que interessa o que os outros pensam se soubermos ter agido da forma mais decente e racional? Não nos mostramos pessoas melhores se soubermos dar o braço a torcer e não permitirmos que o nosso orgulho nos impeça de reconhecer que errámos?
Notoriamente esta questão está intimamente ligada ao factor imagem. Há pessoas para quem a imagem é tudo e o facto de alguém ficar a pensar que são parvos ou fracos (mesmo até que seja verdade) é insuportável. No entanto não creio ser necessário converter-se ao budismo (se bem que mal não faria) para compreender que essa atitude é primitiva. Basta olhar para a humanidade e verificar que as sociedades mais "civilizadas" são aquelas em que as pessoas começaram a despender cada vez menos energia a defender aquilo a que muitas vezes erradamente se chama honra e que não passa de puro orgulho. E se quiserem comprovar basta ofenderem um árabe e um europeu do norte e verem a diferença.
Há uma velha história chinesa que ilustra esta questão que vou tentar abreviar por palavras minhas.
Viveu em tempos um grande e respeitado espadachim que um dia, num beco, encontra um brutamontes que não conhecia a sua fama. O brutamontes decidiu meter-se com o espadachim humilhando-o, naquela atitude que os brutamontes têm que os faz sentir mais confiantes e seguros. Disse-lhe que se quisesse passar, teria que o fazer por baixo das suas pernas. O espadachim, apesar de exímio guerreiro e de saber que numa questão de segundos deixaria o brutamontes estendido no chão, talvez até morto, não achou que a defesa do seu orgulho justificaria um conflito. Passou por debaixo das pernas do brutamontes e seguiu caminho, satisfeito por ter provado a si mesmo que a força do seu carácter era superior à força do seu orgulho.
É claro que o brutamontes se sentiu muito poderoso e que ficou a pensar que o espadachim era um verdadeiro banana. Mas alguém me consegue explicar porque é que o espadachim se devia importar com isso?

Nota: Não quero, de maneira nenhuma, insinuar que consigo vencer sempre o meu orgulho. No entanto faço por isso e lá vou conseguindo uma vez por outra...

quinta-feira, 4 de maio de 2006

Um ápice

Foi um ápice.
Não sei ao certo quanto tempo foi.
Se dias, semanas ou até meses.
Agora parece-me que foi um instante.
Infinitamente pequeno intervalo de tempo
Ínfimo momento… um ápice!

quarta-feira, 3 de maio de 2006

Pergunto-me...

Será possível, pelo menos teoricamente, que toda a Humanidade, que todo e qualquer ser humano deste planeta consiga ser feliz ao mesmo tempo?
Ou será que a felicidade de uns implica sempre e inevitavelmente a infelicidade de outros?
Se calhar é mesmo como diz aquela musica, o sonho de um homem é o pesadelo de outro...

quinta-feira, 27 de abril de 2006

Sem título

Não se encontra a liberdade no cano de uma arma.
Nunca haverá paz pelo impacto seco de um percutor atingir uma cápsula de sofrimento, impelindo um projéctil através de músculo, osso e vísceras.
Não haverá harmonia pela violência, e a felicidade, essa nunca se obterá pela vileza.

quarta-feira, 26 de abril de 2006

Sentimentos

- Eu sou da opinião que não devemos esconder os nossos sentimentos. Acho que não há razão nenhuma para termos vergonha deles e se os escondermos não estamos a ser genuínos.
- Não acho que apenas por não nos expormos não estejamos a ser genuínos. Apenas nos estamos a defender, a proteger. Não quer dizer que aquilo que mostras aos outros não sejas realmente tu. Pode não ser tudo o que és, mas não quer dizer que o que mostras não faça genuinamente parte de ti.
- Sim, compreendo que é um mecanismo de protecção, mas acho que só temos a ganhar se conseguirmos ultrapassar a insegurança que nos faz ser assim. Acho que não tens assim tanto a perder se te abrires sem reservas com toda a gente.
- É engraçado como me fazes lembrar de mim quando tinha a tua idade. Eu também pensava assim. Embora sempre tenha tido uma grande dificuldade em demonstrar os meus sentimentos, sempre achei que os devia demonstrar, e sempre me esforcei por fazê-lo.
- E porque é que mudaste de opinião?
- Mudei de opinião quando finalmente, não sem um bom esforço, consegui abrir-me como um livro.
- O que é que aconteceu?
- Nem sempre as outras pessoas estão preparadas para saber o que nos vai na alma. E isso pode alterar irrecuperavelmente uma relação. Pode estragar o que poderia ser uma boa amizade.
- Queres elaborar?
- Não, nem por isso, mas digo-te que não é sempre melhor demonstrarmos os nossos sentimentos. Nem sempre se ganha em tirar a máscara. E não estou a falar do facto de, ao tirarmos a máscara, nos estamos a expor e a colocar-nos numa situação de vulnerabilidade. Podes dar um passo sem regresso na relação que tens com a pessoa a quem te expões e, embora isto do melhor e pior seja sempre discutível, ficares numa situação pior.
- Compreendo o teu ponto de vista, mas se a outra pessoa não souber lidar com o que sentes o problema é inteiramente dela. Se fores sincero não estás certamente a errar. Acho até que é a única atitude que te permite ter a certeza de estares a agir correctamente.
- Eu também compreendo o teu ponto de vista e provavelmente, dependendo da situação, estão ambos correctos. Há que ter consciência que não há verdades universais e absolutas, a vida não é a preto e branco, os tons de cinzento são infinitos. Só a experiência de vida te permite distinguir as situações em que será provavelmente melhor retraires as tuas emoções. No entanto acho que, apesar de tudo, tens razão no facto de ser a única maneira de garantires que agiste correctamente, há é que ter consciência que agir correctamente pode ter um preço. No fundo espero que, ao contrário de mim, consigas amadurecer mantendo essa opinião.
- Vou tentar.
- Boa sorte!

quinta-feira, 13 de abril de 2006

Azar

Vinha calmamente a conduzir quando, para meu terror se atravessa um gato preto à frente do carro. Estava ali à minha espera, fez questão de passar à frente do meu carro! Era azar tão certo que fiquei logo desorientado. Já com uma grande carga de stress em cima, sempre a olhar para um lado e para outro na tentativa de antever qualquer situação potencialmente perigosa não reparei que o carro da frente tinha parado. Quando me apercebi era tarde para travar, tive que me desviar para a outra faixa, exactamente no momento em que vinha um camião em sentido contrário que me obrigou a desviar para cima do passeio. Tudo teria ficado bem se não viesse um grupo de transeuntes que me obrigou a meter o carro por uma ribanceira. Descontrolado lá consegui, para gáudio do pastor, não acertar em nenhuma das ovelhas que lá andavam a pastar e fui bater numa árvore que me estalou a pintura toda do pára-choques!
E ainda há quem diga que os gatos pretos não dão azar!!!

quarta-feira, 12 de abril de 2006

O Poema

O poema não é composto, não é inventado,
Não é criado, nem sequer é escrito,
Muito menos articulado

O poema nasce, em si renasce
Germina da ponta da pena,
Brota da imaginação,
Da fantasia, ou não

Origina-se num rasgo
Incuba no ventre da alma
Constitui-se na inspiração
Firma-se na paixão

O poema não é feito
O poema apenas surge
Surge de um ardor no peito

sexta-feira, 7 de abril de 2006

Escrever

Antes de mais obrigado pelo convite para o blog, espero que a minha contribuição seja positiva. Pelo que já li, não acho que as minhas divagações destoem, e sempre é mais uma motivação para escrever. Escrever, escrever. Escrever o quê? Sobre quê? Para quê? Sobre tudo? Sobre nada? Escrever para não enlouquecer ou escrever para enlouquecer? Não sei. Logo se vê. É preciso é escrever. O importante é escrever!

quinta-feira, 6 de abril de 2006

A dor

A dor, a dor, sempre esta pequena frase no fundo do pensamento. Repetida incessantemente, como uma voz ao longe, mas sempre presente. A dor, a dor, sempre por trás, como o pano de fundo do palco da mente. Sempre por trás de qualquer pensamento que ali se represente. A dor, a dor. Mas qual dor? Dor de quê? E porquê? Não tinha respostas. Só sabia que num qualquer canto recôndito do meu cérebro, fora do controlo do consciente, a voz continuava, sempre incansável, sempre dolente: a dor, a dor.
E então vi-a. Senti-a.

sexta-feira, 31 de março de 2006

O Gato






Acho que o Gato já merece uma homenagem e decidi fazê-la sob a forma de post.
Não se sabe ao certo, mas estima-se que tenha cerca de 16 anos e 6,5 Kg. Sim, é bastante gato, mas com uma agilidade jovial.
De facto, mesmo com os seus 16 anos continua a não conseguir resistir a um cordelinho a mexer ou algo parecido e brinca como se ainda tivesse 2 ou 3 anos. Tem até um fascínio quase doentio por caixas de cartão, que independentemente do tamanho têm que o conseguir comportar, implicando naturalmente, a destruição total da caixa na maioria dos casos. É também capaz de serpentear a sua enorme barriga por entre o que quer que esteja em cima da mesa sem destruir nada. (O mesmo já não se pode dizer da sua amiga Mia, que tem um terço do tamanho, menos de um quinto da idade e é um verdadeiro trambolho!)
Tivemos até, há bem pouco tempo, uma demonstração que, apesar da envergadura e da idade, aquilo está tudo em forma. Há outro gato, bastante sociável, lá perto. Estava o Gato a comer umas ervas (parece viciado naquilo, é um gato ruminante), quando aparece o outro. O Gato, inteligente, joga pelo seguro e vai para casa observar da porta enquanto a Mia foi logo ver o que se passava. Já estávamos nós a chamá-lo cobardolas enquanto a Carla fazia festas ao outro gato que se regalava e rebolava, quando, qual tiro, o Gato sai disparado direito ao outro, que apanhou de certeza o cagaço da vida dele! Deram três voltas ao quintal até o outro se ter enfiado pela janela da casa dele. De referir que o outro não deve ter dois anos, e foi inacreditável ver a velocidade que seis quilos e meio de gato com dezasseis anos conseguem atingir.
No entanto, na minha opinião, a característica que torna o Gato tão peculiar é a sua tendência para vocalizar. Nunca conheci outro gato – e conheci bastantes – que usufruísse tanto das suas capacidades vocais para se exprimir. Até o próprio bufar, que normalmente os gatos só usam quando estão mesmo chateados, como um método de intimidação; para o Gato é um instrumento de expressão. Sim, quer dizer que não está satisfeito, mas não está fora de si, não quer assustar ninguém, quer apenas manifestar o seu desagrado.
Entre miados avisadores, autoritários, suplicantes, críticos, satisfeitos e aquele gutural que já sabemos significar “Bola de pelo em processo de expulsão!!!” Estimo uma média bem acima dos 100 miados diários. Principalmente agora que se habituou a ir comer ervas à rua e se põe em frente à porta a miar incessantemente (eu acho que ele até já sabe quais são os dias da recolha do lixo, em que a saída é certa).
O Gato é um espectáculo! Temos um entendimento que transcende espécies. Aliás, não sei se ele pensa que é humano ou se pensa que somos todos gatos, mas a verdade é que (excepto talvez com a Carla, que trata com alguma superioridade) trata toda a gente de igual para igual. E para mim é igual, ser gato ou humano não faz diferença nenhuma. O Gato é meu irmão!

quinta-feira, 30 de março de 2006

Porquê?

Porque é que o ser humano tem que ser tão complicado? Porque é que não conseguimos incutir algum racionalismo nos nossos sentimentos?
Porque é que, tendo perfeita consciência que existem incompatibilidades gritantes, que existem diferenças óbvias na forma de viver, de ver a vida, não conseguimos que isso altere os nossos sentimentos por alguém? Porque é que, mesmo sabendo é o melhor a fazer, não temos o poder de eliminar uma pessoa da nossa mente? Porque é que abrimos mão de pessoas que têm tudo para ser perfeitas para nós, que sabíamos haver entendimento e identificação, apenas porque não há o click? Porquê? Porquê?

quarta-feira, 22 de março de 2006

Amizades

Diria que as amizades são como os isqueiros. Há as amizades zippo (passe a publicidade), que duram a vida toda. Há amizades da loja dos chineses (passe a publicidade), que apesar de serem recarregáveis sabemos que não podemos contar muito com elas. E as amizades bic (passe a publicidade), que apesar de serem de qualidade, se deitam fora quando estão vazias.

sexta-feira, 10 de março de 2006

O Sr. Fernando

O Sr. Fernando é único, por muito que eu tentasse descrever nunca conseguiria transmitir a experiência que é vê-lo no Maxime. Muita gente provavelmente achará um espectáculo decadente e não compreenderia porque é que eu gostava de ser assim quando chegasse à idade dele, que deve andar entre os 50 e os 60. Maxime, noite de concerto de Enapá, ainda antes do concerto ter começado já estava o Sr. Fernando a mostrar a toda aquela juventude o que é que é curtir. Assim que o DJ pôs qualquer coisita mais dançável, como que movido por um impulso incontrolável, o Sr. Fernando lançou-lhe um olhar cúmplice, saltou da cadeira e foi dançar, no seu estilo próprio que, esse sim, é completamente impossível de descrever. Baixote, franzino, com a sua bela fatiota e o cabelo milimétricamente penteado, automaticamente o centro das atenções! De tal forma que é por diversas vezes chamado ao palco para dar um arzinho da sua graça, que cumpre com satisfação. Sempre com uma pose profissional, perder a compostura é que não!
Há basicamente duas razões que me fazem querer ser assim na idade dele. Uma é o facto dele ter uma das qualidades que mais admiro numa pessoa: conseguir estar-se borrifando para o que os outros pensam dele, consegue ser ele próprio, fazer o que bem lhe apetece sem se condicionar pelo que os outros possam pensar. A outra é estar a divertir-se no Maxime no meio de pessoas bastante mais novas que ele, quando os da idade dele já viram a novela e já estão a dormir há várias horas. Digam o que disserem, o Sr. Fernando é que sabe viver!

quinta-feira, 9 de março de 2006

Dia do coitadinho

Que se discrimine as pessoas portadoras de deficiência criado um dia para eles, reforçando a ideia de que são uma minoria frágil, ainda aceito pelo facto de servir para lembrar ao mundo que existem pessoas com necessidades especiais, coisa que muita gente deve esquecer com facilidade. Agora fazê-lo para as mulheres parece-me extremamente machista. Para começar não creio que seja preciso haver um dia da mulher para que nos lembremos que elas existem, elas fazem questão de nos lembrar constantemente que andam aí. E ainda impõe a ideia de que são diferentes dos homens, mais fraquinhas (coitadas), que como não conseguem ter os mesmos direitos dá-se-lhes um diazito para ver se ficam mais satisfeitas. Só prova que isso da igualdade – o que quer que isso seja – que tantas mulheres preconizam, embora a maioria delas só queira as vantagens, ainda é uma miragem. Não serão certamente iniciativas que, por princípio, as segregam da sociedade que vão mudar isso.
Revoltem-se mulheres!

Nota: Claro que sempre que tentei expor o meu ponto de vista sobre este assunto a mulheres fui logo rotulado de gajo ressabiado. "Isso é só porque nós temos um dia e vocês não, e tal...". Pensem lá o que quiserem.

quarta-feira, 8 de março de 2006

Desejo

- Boa tarde, o que é que deseja?
- O que desejo? Deixe lá ver... Olhe, desejo ser criança outra vez, "voltar a ter segredos", como dizia aquele senhor espaçoso, desejo que a vida volte a ser simples. Não, não, o que eu desejo é que a fórmula da felicidade seja uma coisa imutável, que não se metamorfoseie quando estamos próximos de a alcançar. Também desejo ter tempo para tudo, para conhecer tudo. Desejo não ter a necessidade de possuir coisas materiais, não ter nada e achar que tenho tudo o que preciso. Desejo enfrentar os meus medos. Desejo paz, amor, bom senso, harmonia. Desejo voar. Desejo... bom, esqueça lá isto tudo e traga-me só uma imperial, se faz favor.
- Com certeza, deseja tremoços?

quinta-feira, 2 de março de 2006

CALMA. A pressa é inimiga da perfeição.

Não detestam quando vão a algum lado e tocam á campainha, e chega alguém e toca também para outro andar, sem esperar se quer que nos respondam? Depois quando respondem como sabemos que é para nós e náo para a outra pessoa?
Imaginando que nenhum dos dois ali esteve antes, como sabem que quem responde é a pessoa que nos interessa? Por que é que as pessoas mão conseguem seguir a ordem das coisas, se é que tal existe? Por que não esperar que atendam a primeira pessoa, e então, se nada acontecer, solicitar educadamente, a intervenção? Será que se não se esperar a porta só se abre para uma pessoa? Ou será que se formos muitos a tocar á campainha nos respondem mais rápido? E se for o caso de não estar ninguém? Quem nos abre a porta? Nesse caso já não fáz sentido que nos abram a porta. logo não nos interessa subir, e ai poupáva-mos tempo em subir para um andar onde ninguem nos vai atender. Mas não as pessoas preferem atropelarem-se umas ás outras, á pressa, e perder tempo desnecessário em vês de pouparem alguns minutos, por poucos que sejam, com alguma boa educação. As pessoas estão cada vêz mais impacientes, e cada vêz mais se regem por aquilo a que chamo, a "teoria da publicidade". Ou seja, "quantas mais campainhas tocares maior a probabilidade de te abrirem a porta". Isto é em tudo igual á "lei da probabilidade", mas com um nome mais adequado ao tempo em que vivemos.
E isto aplica-se a tudo. Já as crianças, aplicam-na sabiamente para obterem o que querem. Quanto mais insistires maior a probabilidade de o conseguir, isto fáz lembrar o Bart Simpson. Vão lá por insistência e não por persistência como muitos confundem.

CALMA. A pressa é inimiga da perfeição.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2006

Uma lufada de ar fresco

É sempre uma lufada de ar fresco encontrar a velhota da cadeira de rodas quando deixo a criança no infantário. Faz-nos tão bem encontrar pessoas que aparentemente teriam mais razões para estar descontentes com a vida e, pelo contrário, transbordam alegria.
A primeira vez que reparei nela tinha encontrado uma pessoa amiga e, com um sorriso aberto e genuíno disse: “Desculpe não me levantar…”. Foi suficiente para ficar bem-disposto o resto do dia.
Da última vez que a vi, com a sua alegre simpatia, meteu-se com o pequeno a dizer-lhe que também tinha um carrinho, e que o dela até tinha buzina. Parece que há pessoas que são incapazes de ver a vida de forma pessimista, incapazes que qualquer sentimento de auto-comiseração. Provavelmente as únicas que conseguem ser plenamente felizes, e sempre nos vão dando uma ajudinha.
Obrigado senhora da cadeira de rodas!

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2006

Testosterona

Ontem vinha eu para o trabalho e há uma carrinha que passa em sentido contrário e buzina. Não sei porque buzinou, nem sei se foi para mim ou para o gajo que ia à minha frente, só sei que ele parou por uns segundos e num ápice faz inversão de marcha e vai feito doido atrás do gajo da carrinha. Quanta testosterona é preciso ter no sangue para se fazer uma coisa destas? Faz-me mesmo confusão como é que alguém se dá ao trabalho de largar tudo para ir defender o seu orgulho porque levou uma buzinadela, ou porque levou com “o dedo”, ou até porque lhe chamaram isto ou aquilo. Fico satisfeito por ser uma situação cada vez menos comum nas nossas estradas, mas há aí povo que talvez só lá vá com um tratamento hormonal…

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2006

Fundo do Baú III

Também havia lá este, não sei bem o que é que quer dizer, nem sequer se está acabado, mas é definitivamente o melhor dos meus poemas que contêm a palavra 'porém'! Não serei, pelo menos, novamente acusado de tentar alterar a História, era assim que estava no fundo do baú, é assim que fica!

Enganadora é a luz do dia que faz da vida uma sombra recortada
Só a noite é lúcida, porém o sono acaba sempre por vencê-la
Por isso a trocamos pelo sonho, cobrindo a nudez crua da verdade com o diáfano manto da fantasia
Melhor que a escura realidade onde os sentimentos são pardos
Mas sempre o nascente sol cobre novamente a vida com a sua máscara de luz
Distorce formas e emoções, enganando os nossos olhos com as mais vivas e reluzentes cores.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2006

Afiar as garras - Um ano de Tertúlia dos Néscios

Pois é verdade. Esta nossa tertúlia de néscios fez um anito! Parabéns para nós! :) (o post vem atrasado, mas sexta foi um dia complicado…)
E pronto, não há muito mais a dizer, a não ser que a criação deste blog foi um grande passo para desenvolver o espírito criativo e desatrofiar um bocado.
Lixo? Sim, certamente haverá por aqui muito, mas também não acredito que seja só lixo, e, independentemente de ser ter escrito aqui alguma coisa de jeito ou não, este ano de tertúlia foi, pelo menos, excelente para “afiar as garras”.
Gostava de aproveitar também este post comemorativo do primeiro ano de Tertúlia dos Néscios para convidar os visitantes a intervir, deixando aqui os vossos comentários sobre este ano de blog. Sede implacáveis!

quarta-feira, 25 de janeiro de 2006

A minha aranha

Há já vários meses que vive uma aranha no meu espelho retrovisor. Só a vi umas duas ou três vezes, mas pelas alterações e inúmeras reconstruções na teia sei que ela lá anda. Na última vez que lavei o carro, que curiosamente foi a primeira (e que foi uma canseira e que já nem se nota…), lá consegui não a violentar e lá continua ela. Não me estou a desculpar de nada, admito até que o meu carro provavelmente estaria igualmente imundo se a aranha não estivesse lá, mas não consigo confiar na preocupação que os senhores lavadores de carros possam ter pelo bem-estar da minha aranhita. Além do mais solicitar que tivessem o cuidado de não matar a aranha seria considerado, no mínimo, excêntrico. Lavagens automáticas estão, naturalmente, fora de questão... Vamos lá ver se vem uma chuvada...

A verdade!

A verdade, sempre a verdade, toda, toda!
Não à negação, não à falsidade,
Nunca a mentira, por mais confortável que seja
Seja inofensiva ou piedosa,
Seja branca, branca suja ou cor-de-rosa.
Antes a dor penetrante da realidade!

quinta-feira, 19 de janeiro de 2006

Ode triunfal

É curioso como o mesmo texto consegue dizer-nos coisas tão distintas em fases diferentes da nossa vida. Estava eu ontem a pensar em engrenagens quando me lembrei de um poema de Fernando Pessoa, ou mais especificamente de Álvaro de Campos, que me ficou gravado na memória pela curiosa conjunção de dois factores, o facto de estar no livro de português de um ano qualquer e o facto de ter um colega que trocava os rr pelos gg. Quem ler o poema, que deixarei abaixo, compreenderá... Ó gódas, ó engguenagens, g-g-g-g-g-g etegno! Foi de facto um belo momento. No entanto lê-lo hoje, passados uma porrada de anos (porra... tantos...), foi uma experiência completamente diferente... e não me apetece desenvolver.

Ode triunfal

À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica
Tenho febre e escrevo.
Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto,
Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos.
Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r eterno!
Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria!
Em fúria fora e dentro de mim,
Por todos os meus nervos dissecados fora,
Por todas as papilas fora de tudo com que eu sinto!
Tenho os lábios secos, ó grandes ruídos modernos,
De vos ouvir demasiadamente de perto,
E arde-me a cabeça de vos querer cantar com um excesso
De expressão de todas as minhas sensações,
Com um excesso contemporâneo de vós, ó máquinas!
Canto, e canto o presente, e também o passado e o futuro.
Porque o presente é todo o passado e o futuro.
Ah, poder exprimir-me todo como um motor se exprime!
Ser completo como uma máquina!

Engenhos, brocas, máquinas rotativas!
Eia! eia! eia!
Eia electricidade, nervos doentes da Matéria!
Eia telegrafia-sem-fios, simpatia metálica do Inconsciente!
Eia túneis, eia canais, Panamá, Kiel, Suez!
Eia todo o passado dentro do presente!
Eia todo o futuro já dentro de nós! eia!
Eia! eia! eia!
Frutos de ferro e útil da árvore-fábrica cosmopolita!
Eia! eia! eia, eia-hô-ô-ô!
Nem sei que existo para dentro. Giro, rodeia, engenho-me.
Engatam-me em todos os comboios.
Içam-me em todos os cais.
Giro dentro das hélices de todos os navios.
Eia! eia-hô eia!
Eia! sou o calor mecânico e a electricidade!
Eia! e os rails e as casas de máquinas e a Europa!
Eia e hurrah por mim-tudo e tudo, máquinas e trabalhar, eia!
Galgar com tudo por cima de tudo! Hup-lá!
Hup-lá, hup-lá, hup-lá-hô, hup-lá!
Hé-lá! He-hô Ho-o-o-o-o!
Z-z-z-z-z-z-z-z-z-z-z-z!
Ah não ser eu toda a gente e toda a parte!

Evolução

Lá passei mais uma fase importante da minha vida! Após alguma evolução intelectual no sentido de tentar compreender as pessoas em vez de as julgar, achei que começava a compreender as mulheres. Muito contente com o meu progresso como pessoa, tenho o prazer de anunciar que atingi mais um patamar da vida. Acho mesmo que atingi uma fase de grande maturidade em que as ilusões se desvanecem. Não compreendo as mulheres!!!

quarta-feira, 18 de janeiro de 2006

Human Behavior

"If you ever get close to a human
And human behaviour
Be ready to get confused
There's definitely no logic
To human behaviour
But yet so irrestible
There's no map
To human behaviour
They're terribly moody
Then all of a sudden turn happy
But, oh, to get involved in the exchange
Of human emotions is ever so satisfying
There's no map
And a compass
Wouldn't help at all
Human behaviour "


Human behaviour

bjork

sexta-feira, 13 de janeiro de 2006

Os ratos

Ontem fui pela primeira vez mandado parar pela guarda. O senhor agente foi muito simpático, a bela da continência, os documentos por favor, tive que esventrar o porta-luvas para encontrar o papel da inspecção, mas tudo estava a correr bem, pensava eu. Felicitei-me por ter colocado minutos antes um CD de Trovante, o senhor agente pareceu-me fazer parte do “povo simples”, usando a terminologia do senhor professor doutor Aníbal, estava certo que tinha marcado pontos. Certamente se eu tivesse deixado o CD de Devil Doll teria sido logo catalogado como delinquente e teria um tratamento de acordo. Agradeci mentalmente ao piqueno por espalhar brinquedos no carro, sempre dá aquele aspecto de pai de família, o homem não vai querer passar-me uma multa correndo o risco de estar a tirar o pão da boca das crianças, ponderava eu enquanto o simpático agente dava a volta ao carro, examinando cuidadosamente os selos expostos no pára-brisas.
- O senhor sabe que lhe falta um médio? Ainda por cima o do lado esquerdo. Sabe que não pode circular assim?
- Falta? Perguntei eu com ar espantado. Pois não me tinha ainda apercebido, são coisas que acontecem... Retorqui perguntando-me quando é que ele dizia qualquer coisa como "Pronto, então não se esqueça que tem que tratar disso. Boa viagem".
Contra as minhas expectativas, o senhor agente não me mandou seguir, em vez disso foi novamente para a frente do carro e aconselhou-me a desligar e ligar novamente as luzes, acto que foi respondido com um abanar de cabeça da parte dele. Lá me decidi a sair do carro, dei uns piparotes no farol dizendo:
- Sim, de facto falta-me um médio, tenho que tratar disto...
- Se o conseguir pôr a funcionar... Respondeu o senhor agente.
Foi aí que a dura verdade me atingiu! Ele ia mesmo multar-me! Debaixo daquele jeito simpático estava, qual exterminador, uma pessoa implacável, pensei. Creio ter tido a reacção normal na situação, ou seja, desatei ao murro ao farol com todas as forças do meu ser e eis que se faz luz!
- Sargento, hoje não nos safamos! Disse, com um sorriso genuíno, o senhor agente para o seu superior
- Então mas nós somos polícias ou mecânicos? Perguntou o sargento, também com relativa boa disposição. Pronto, se reuniu condições para circular, pode seguir.
Ainda ficámos os três um bocado na galhofa a desfrutar a situação, mas curiosamente o senhor agente parecia deveras satisfeito, quase tanto como eu, satisfação que eu compreendi quando me devolveu os documentos dizendo:
- Você teve sorte, não era por mim, mas ali o sargento não perdoa, ia mesmo ter que o autuar. Mas já é o segundo que mandamos parar com falta de um médio e o outro também se safou da mesma forma, disse de uma forma que deixava perceber que estava muito contente com o facto. Agradeci, ao senhor agente e ao São Cristóvão e, com uma calorosa despedida o senhor agente parou o trânsito para eu entrar e segui viagem.
Afinal parece que sempre há ratos bacanos!

quinta-feira, 12 de janeiro de 2006

Combater fogo com fogo

Mas qual é a lógica de combater fogo com fogo, se eu quero combater o fogo é porque não concordo com a sua existência. Não será então um paradoxo servir-me de algo que vai contra as minhas convicções? Não me torna igual àquilo que pretendo combater?
Existe um post nesta nossa tertúlia que nos faz aparecer numa pesquisa por “olho por olho dente por dente” e curiosamente temos vários hits através dela. Porque é que esta pesquisa é tão efectuada? Não sei ao certo a resposta, mas tenho a seguinte teoria: A maioria das pessoas que efectua a pesquisa em questão pretende provar a outrem que, de facto, a famigerada frase está mesmo na bíblia, numa tentativa de, adivinho, justificar o facto de se reger, erradamente na minha opinião, por tal máxima. Parece-me o mesmo paradoxo, combater uma coisa que não estamos de acordo recorrendo exactamente a essa coisa. Se eu acho mal que me tirem um olho também deveria achar mal ser eu a tirá-lo, e o facto de me vingar não me traz o meu olho de volta. Então se não estamos de acordo não deveríamos, antes de combater o alvo da nossa discórdia, preocupar-nos primeiro em não nos tornarmos iguais àquilo que repugnamos. Se eu sou contra a violência não posso combatê-la com mais violência, não só pelo facto de estar a fomentar um processo iterativo que só gera cada vez mais violência, mas também por uma questão de coerência, sou contra logo não uso.
Adicionalmente também não me parece muito sensato orientar a vida segundo dogmas que se aceitam cegamente por estarem escritos num livro, principalmente quando o livro já foi escrito há milénios e que naturalmente já se encontra desenquadrado da sociedade, mas aparentemente ainda faz estrago.
Será que existem pesquisas por “dar a outra face” ou “amar o próximo” com igual frequência? Duvido. Talvez este post até o consiga provar...

quarta-feira, 11 de janeiro de 2006

Viver

Há pessoas que estão à espera da reforma para viver. Há outras que, sortudas, encontram a felicidade na monotonia do quotidiano. Outras ainda, mesmo continuando a respirar optam por morrer.
A rotina não me consegue fazer feliz e não posso estar à espera da reforma porque o mais provável é vir a passá-la morto. Preciso de novas experiências, de conhecer pessoas novas, que me inspirem ideias novas, tenho fome de viver, de ver outras paisagens, ouvir outros sons, cheirar diferentes atmosferas e experimentar sensações novas, emoções novas!

Edit on 11/01/06@14:56

Depois de reler o post, tendo em conta a natureza tortuosa do funcionamento do cérebro feminino, nomeadamente um cujas encruzilhadas de raciocínio conheço muito bem, parece-me por bem deixar um esclarecimento:
"conhecer novas pessoas" não tem qualquer cariz romântico, a ideia que pretendo transmitir é que, quer se tornem grandes amigos quer desapareçam da nossa vida tão fugazmente como aparecem, todas as pessoas nos ensinam algo, nem sempre agradável, sobre a vida, ou seja, a meditação não chega, "conhecer novas pessoas" é fundamental para crescer como ser pensante.
(tenho uma amiga que ia adorar a pontuação Saramaguista desta frase)

quinta-feira, 5 de janeiro de 2006

Eterno

Quero que gostes de Pina Baush, ou até já nem gostes,
queiras mais queiras diferente;
que gostes da cor e do risco forte de Miró
e do canto desiludido e fundo de Ferré;
quero que aprecies os cheiros sensíveis da eternidade
do grande bruto grande e do pequeno sensível e pequeno;
quero que mores nas páginas da Photo e que, sendo um modelo de virtudes
representes a cortesã mais lassa para mim;
quero-te com mãos de pedra e de veludo;
quero que ames o chique e a Serra d'Aire
- mais o safari que a recepção,
quero que mores e sofras nas páginas de Guido Crepax
e que te irrites com a perfeição absoluta de um retrato de Medina
quero que, se possível vivas dentro do anúncio do Martini
felina e ondulante numa ilha tropical
quero que sejas capaz de divertir-te, de soltar uma ampla gargalhada,
ante o espectáculo ridículo e obsceno de um homem de Quinhentos
a quem atribuíssem um número de contribuinte
quero que ames o longe e a miragem, como o Régio
e que sejas louca e sábia
que tenhas lábios e mordas,
língua e sorvas, sexo e sexes, salto e salto, riso e rias,
sorvedouro inteiro de vida, arrepio de garça, sacudir de cisne,
passos de corsa, graça de arlequim,
pose de Diva, corpo de areia e luz.
E quero que me dês, me dês muito, que me dês tudo,
e que abras as janelas de par em par ao Tejo
e fecundes um poema em cada gesto
e voes como a gaivota em cada espreguiçar
e partas para a Índia em cada cacilheiro
e que sejas, mores, vivas e creias
longe
muito longe daqui...

quero que sejas profundamente minha e ritual
obsessiva e lúcida, doente, febril, tremendo de desejo
disposta a tudo e a mais e a muito mais,
boca de Mundo, seios de Mármore, corpo de Alfazema
e sobretudo Mulher e sobretudo amante.
Se existires assim, nua, inteira, absoluta e pessoal
responde-me
que eu fico aqui, eterno, à tua espera.

(letra e música de Pedro Barroso in CD «Longe daqui», 1990)

quarta-feira, 4 de janeiro de 2006

Homens - Capítulo 1

Em contraste com o quase inaudível cumprimento do homem que não se sente bem em lado nenhum, a que ninguém respondeu, o característico cumprimento do homem que ninguém leva a mal “Cambada de filhos-da-puta!” foi retorquido com uma calorosa saudação geral. Entrou como se fosse o dono do sítio e, piscando cumplicemente o olho ao homem que nunca tem opinião, foi sentar-se na mesa do homem que não se sente bem em lado nenhum.
- Então, como é que te sentes hoje?
- Agora que falas nisso… Não me estou a sentir muito bem aqui, vou só beber o café e vou-me logo embora.
Pediu o café ao empregado, que nessa noite era o homem que acha que deus foi assassinado por extraterrestres, que o serviu prontamente. Não foi preciso mais de meio minuto para o homem que não se sente bem em lado nenhum beber o café e sair deixando uma moeda em cima da mesa.
Com um ar triunfante, o homem que ninguém leva a mal levantou-se, deu a volta ao elefante em mármore, de tamanho real, que ocupava o centro da sala e foi sentar-se na mesa do homem que nunca tem opinião, onde também estava o homem que só fala com frases de doze sílabas.
- Porque é que tu implicas com o homem? Disse o homem que só fala com frases de doze sílabas.
- Eu não tenho culpa que ele seja assim. Respondeu o homem que ninguém leva a mal.
- Acho que não havia necessidade. Há muita coisa para te divertires, e muitas delas sem chateares ninguém!
- Tá bem, tá bem. Eu não chateio mais o homem. Também já está a perder a piada. Ó palhaço, disse dirigindo-se ao homem que acha que deus foi assassinado por extraterrestres, traz-me lá meio bagacito.
Nisto entrou o homem que começa todas as frases com “pá…”, e, ao chegar à mesa onde estavam o homem que ninguém leva a mal, o homem que só fala com frases de doze sílabas e o homem que nunca tem opinião, disse no seu jeito próprio:
- Pá… Ainda bem que vos encontro, o homem que imagina coisas mirabolantes vai dar uma festa esta noite e estamos todos convidados. Pá… Vocês sabem que as festas dele são sempre de arromba!
- Por mim vamos já para lá, isto hoje está uma seca, nem sequer ligam a fonte. Disse o homem que ninguém leva a mal, ao que o homem que nunca tem opinião respondeu com um encolher de ombros.
O homem que só fala com frases de doze sílabas concordou pleonasmicamente, terá dito qualquer coisa como “Sim, eu acho que devemos ir embora” ou “Concordo que devemos ir já para lá” e saíram todos despedindo-se do homem que acredita que deus foi assassinado por extraterrestres, cada um à sua maneira.