sexta-feira, 13 de janeiro de 2006

Os ratos

Ontem fui pela primeira vez mandado parar pela guarda. O senhor agente foi muito simpático, a bela da continência, os documentos por favor, tive que esventrar o porta-luvas para encontrar o papel da inspecção, mas tudo estava a correr bem, pensava eu. Felicitei-me por ter colocado minutos antes um CD de Trovante, o senhor agente pareceu-me fazer parte do “povo simples”, usando a terminologia do senhor professor doutor Aníbal, estava certo que tinha marcado pontos. Certamente se eu tivesse deixado o CD de Devil Doll teria sido logo catalogado como delinquente e teria um tratamento de acordo. Agradeci mentalmente ao piqueno por espalhar brinquedos no carro, sempre dá aquele aspecto de pai de família, o homem não vai querer passar-me uma multa correndo o risco de estar a tirar o pão da boca das crianças, ponderava eu enquanto o simpático agente dava a volta ao carro, examinando cuidadosamente os selos expostos no pára-brisas.
- O senhor sabe que lhe falta um médio? Ainda por cima o do lado esquerdo. Sabe que não pode circular assim?
- Falta? Perguntei eu com ar espantado. Pois não me tinha ainda apercebido, são coisas que acontecem... Retorqui perguntando-me quando é que ele dizia qualquer coisa como "Pronto, então não se esqueça que tem que tratar disso. Boa viagem".
Contra as minhas expectativas, o senhor agente não me mandou seguir, em vez disso foi novamente para a frente do carro e aconselhou-me a desligar e ligar novamente as luzes, acto que foi respondido com um abanar de cabeça da parte dele. Lá me decidi a sair do carro, dei uns piparotes no farol dizendo:
- Sim, de facto falta-me um médio, tenho que tratar disto...
- Se o conseguir pôr a funcionar... Respondeu o senhor agente.
Foi aí que a dura verdade me atingiu! Ele ia mesmo multar-me! Debaixo daquele jeito simpático estava, qual exterminador, uma pessoa implacável, pensei. Creio ter tido a reacção normal na situação, ou seja, desatei ao murro ao farol com todas as forças do meu ser e eis que se faz luz!
- Sargento, hoje não nos safamos! Disse, com um sorriso genuíno, o senhor agente para o seu superior
- Então mas nós somos polícias ou mecânicos? Perguntou o sargento, também com relativa boa disposição. Pronto, se reuniu condições para circular, pode seguir.
Ainda ficámos os três um bocado na galhofa a desfrutar a situação, mas curiosamente o senhor agente parecia deveras satisfeito, quase tanto como eu, satisfação que eu compreendi quando me devolveu os documentos dizendo:
- Você teve sorte, não era por mim, mas ali o sargento não perdoa, ia mesmo ter que o autuar. Mas já é o segundo que mandamos parar com falta de um médio e o outro também se safou da mesma forma, disse de uma forma que deixava perceber que estava muito contente com o facto. Agradeci, ao senhor agente e ao São Cristóvão e, com uma calorosa despedida o senhor agente parou o trânsito para eu entrar e segui viagem.
Afinal parece que sempre há ratos bacanos!

2 comentários:

Guy Pascoal disse...

Não existem népia ratos bacanos. Se esse rato fosse mesmo bacano tinha cagado logo na cena do farol. Esse rato é mas é um chibo. Morte à chibaria

Anónimo disse...

E no dia em que as aguias, levantarem voo, não ficar sobrar um rato para contar, como é que foi... ...