segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Vulva de Judas

As mulheres são mais falsas que Judas! A frase, proferida com voz rouca e arrastada fez-me levantar o olhar da minha taça de tinto e dirigi-lo para o canto de onde surgiu. Não acha? Perguntou-me o homem. Era bastante gordo, vestia umas calças puídas de terylene e uma camisa aos quadrados tão justa que receei que, se um daqueles botões saltasse, certamente cegaria alguém ou mataria o papagaio que, colocado à entrada do estabelecimento, nos divertia gritando impropérios aos transeuntes. O cinto estava geometricamente apertado no meio da sua enorme barriga dando-lhe uma aparência algo grotesca. A cara, inchada e vermelha, indiciava um longo historial de consumo de álcool e o seu segundo queixo ondulava hipnoticamente conforme falava. Merda, pensei, quem me mandou olhar? Ainda é jovem, se calhar ainda não percebeu isso, disse o homem perante o meu silencioso encolher de ombros, aposto que se lhe perguntasse daqui a uns anos teria outra opinião. Ficou a olhar para mim e eu senti-me na obrigação de dizer alguma coisa. Não tenho a certeza que o Judas tenha sido assim tão falso, disse-lhe. O que é que me interessa o Judas? Eu estou a falar de mulheres, rapaz, de mulheres, exclamou o homem assumindo que eu não tinha percebido a sua mensagem. Pronto, vamos lá a isto, pensei enquanto dava o último golo que restava na taça. Mais uma para mim e outra aqui para o nosso amigo. O homem bebeu de uma vez o restante na sua taça para que o taberneiro lha pudesse encher novamente. Pachorrento, o taberneiro repetiu o acto com a minha taça e, arrastando os pés pela serradura, voltou novamente para detrás do balcão. Muito obrigado, rapaz. Hipólito, Hipólito Álvares, disse enquanto o seu enorme corpo dava um quarto de volta na cadeira para que pudesse esticar o braço direito, palma aberta, na minha direcção. Não sei se terá sido deliberado ou não, mas foi uma forma de me obrigar a levantar-me do meu sítio e ir para a mesa dele. Peguei na minha taça e aproximei-me. Gregório, disse-lhe enquanto apertava a sua mão sapuda e oleosa, fazendo um esforço para que a minha expressão não denunciasse o extremo desagrado que aquele acto me estava a provocar. Sentei-me. Então o senhor Gregório confia nas mulheres, perguntou-me em tom jocoso, é isso? Suponho que as haja de confiança e outras nem por isso, disse-lhe, eu só estava a defender que o Judas talvez esteja a ser algo injustiçado nesta questão da falsidade, continuei tentando mais uma vez desviar o assunto. Outra vez o Judas? Já lhe disse que não me interessa o Judas! O tom do rosto do homem tornou-se ligeiramente mais avermelhado. O que eu lhe estou a dizer é para não confiar numa mulher. Pois, eu sei, desculpei-me, mas não acha que é injusto? Não acha que o facto de ter sido escolhido para fazer o trabalho sujo de Deus devia ter sido recompensado com algo mais que ficar conhecido para o resto dos tempos como o maior filho da puta da história? Ao ponto de ser usado como metáfora para a falsidade? Pois, não sei, respondeu desinteressadamente o homem, o que eu sei é que mais vale não acreditar em nada do que uma mulher diz. Pois, continuei, coitado do Judas…

19 comentários:

AD disse...

Com aquele cabelo comprido Judas ou era hippie ou era uma gaja, por isso...

AD disse...

E acabando as frases com "por isso..." obrigamos os outros a fazerem o sentido que nós não fizemos, por isso...

Funny Analana disse...

Ora se Judas era " maior filho da puta da história" e se as mulheres são mais falsas que Judas, o que é que isso diz da mãe do Judas?

Sílvia Maria disse...

Sinceramente, gostei do título!

Rodovalho Zargalheiro disse...

Pois, AD, ou então era do metal, por isso...

A mãe do Judas certamente ultrapassava a Maria Madalena em putaria, Analana :)

Rodovalho Zargalheiro disse...

Obrigado Sílvia. Na realidade era para ser "Cona de Judas" mas não quis ferir susceptibilidades e "vulva" também tem uma sonoridade interessante.

Nawita disse...

RZ,
Gosto das tuas descrições. É como se estivesse dentro daquele bar, a ouvir o papagaio e a sentir o cheiro a suor e cerveja. Para a próxima que tal uma história que se passe numa ilha tropical com frutos e gente lavada?

Estou com o Gregório, Judas merecia melhor. Deixou-se levar pelo dinheiro assim como acabou por fazer aquilo que esperavam dele.

Quanto a mulheres, é verdade, elas conseguem ser muito falsas quando precisam. E não apenas falsas, falta-me a palavra, depois logo continuo sobre elas. Calculista, é isso, o que é ainda pior.
Até hoje só ouve uma pessoa que não devia ter ouvido como se me falasse a verdade. Não era uma mulher.
Acredito que as pessoas mostram sempre o que são, temos que estar atentos. Muita mentira / falsidade acaba por chamar à atenção.
Infelizmente nós é que não o queremos ver.
Falsidade é unisexo.

Nawita disse...

Ao negar-me o que desconfiava estaria eu a ser falsa?
Falsa para comigo, claro.




Vais-me bloquear o acesso ao vosso blog?

Rodovalho Zargalheiro disse...

Ilha tropical e gente lavada é complicado, Nawita, sabes que eu tenho este fascínio pela decadência.

E continuas a ter o meu total respeito por não vires com o discurso "coitadinhas das mulheres e não sei quê", mas concordo, é unisexo.

E, minha caríssima amiga, mais depressa esfregava a cara com vidro esmagado que te bloqueava o acesso ao nosso blog :)

grassa disse...

A diferença entre o comum mortal e os deuses nórdicos como nós jaz no uso sem medo que fazemos de palavras como "terylene".

Dito isso, e de deus nórdico para deus nórdico, acho que já te disse - se não o disse, digo-to agora sem pudor nem calças vestidas - que és um nato contador de histórias, e isso enche-me de satisfação por te ter no meu/nosso círculo de gente virtual com talento.

Rodovalho Zargalheiro disse...

Também concordo que é nas pequenas coisas que se faz a diferença.

Obrigado, Grassa. Acredita que o facto de o dizeres sem calças vestidas significa muito para mim.

E sim, é um MUITO bom círculo. Bem hajam!

Anónimo disse...

De simples mortal para deuses nórdicos, isto cheira me a ritual de acasalamento! Analana

Isa disse...

Ai adorei!

(E já agora, deixa-me por as coisas em pratos limpos: gente que escreve bem, enerva-me.
Gente que escreve excepcionalmente bem dá-me vómitos! é que uma gaja depois sente-se pequenina e não gosta, estamos entendidos? ando quase anoréctica à conta deste tasco e de outros!!!)

Judas, comparado com uma mulher (qualquer mulher, basta ela querer) é um santo!
Deve ser por isso que sempre nutri p'lo rapaz um sentimento assim entre o comiserativo e o solidário.

Viemos todas ( creio que até a Madre Teresa, que deus nosso senhor jesus cristo tenha a sua alma em descanso), equipadas com as mesmas armas, depois algumas de nós usam-nas por necessidade e outras por diversão.
Mas usamo-las.
Todas, acredito.

(pá, aquilo era um desperdício de "talentos"!).








Nawita, a comparar a falsidade de um Adão com a de uma Eva?

Ó a serpente a rir-se ...

Isa disse...

Analana,

A mãe de Judas poderia ser até uma grande puta mas (e assim como Maria Madalena) não tinha que ser necessáriamente falsa.Aliás, a Madá era tudo menos falsa.

E agora lembrei-me do Jesus Christ Superstar e do actor fabuloso que interpretava Judas!

Rodovalho Zargalheiro disse...

Calma, Isa, respira fundo, conta até dez.

Pronto, confirma-se. O Sr. Hipólito tinha razão. Têm "talentos".

E eu à espera de espicaçar alguma eventual feminista radical...

Nawita disse...

Dá gosto de ver as grandes mentes a acasalar!

RZ,
Credo, esfregar a cara com vidro?
Decadência é bom sim senhor. Quem diz que a decadência não tem o seu lugar numa ilha tropical?

Isa,
Concordo, temos muito talentos.
Uns devem ser desenvolvidos, outros mais vale deixar guardados.

Rodovalho Zargalheiro disse...

Isso é mais uma piada sobre o meu affair com o Grassa? Já chegava a Analana.

Anónimo disse...

Define affair?

B

Rodovalho Zargalheiro disse...

Porquê?

(define "B", já agora)