quinta-feira, 8 de março de 2007

Mulheres

- Confiar nas mulheres? És maluco? As mulheres não são de confiança. Se um gajo lhes deixa as rédeas muito soltas, acaba sempre por se lixar!
- Parece-me uma opinião algo radical. Aceito que haja pessoas, não apenas mulheres, que não são de confiança, mas a generalização é habitualmente, um erro.
- Tu és muito ingénuo! Não conheces o animal mulher. Elas não são frágeis como querem que pareça, são manipuladoras!
- O teu discurso parece saído da idade das trevas! Essa conversa de as mulheres serem perversas, a verdadeira personificação do demónio já está, felizmente, ultrapassada.
- Ouve bem o que te digo, se dás muita liberdade à tua mulher, mais tarde ou mais cedo ela vai cruzar-se com um gajo que engraça com ela e que tem a energia que tu tinhas antes, que lhe dá certos mimos que tu já não tens pachorra para lhe dar e ela vai borrifar-se para ti. Todo o amor que ela apregoava por ti se esfuma. E ainda por cima são estúpidas demais para perceberem que passado algum tempo, pouco tempo, vão estar na mesma situação que estavam antes, ou pior.
- Então… mas… quer dizer então que a culpa não será, pelo menos inteiramente dela. Se não deixasses de ter pachorra para lhe dar os mimos que ela precisa, provavelmente ela já não se deixava ir na cantiga do outro.
- Elas querem sempre mais do que têm! Até podes ser o Sr. Perfeito que ela vai ter sempre alguma queixa. Nunca nada que tu faças é suficiente para satisfazer uma mulher. Além do mais, é perfeitamente natural a relação esmorecer com o tempo.
- Se esmorece, se calhar é porque o sentimento mudou. Se deixas de te sentir impelido a mimá-la, a fazê-la feliz, se calhar é porque afinal não a amas como achavas que amavas e aí, acho que se calhar mais vale enfrentar a realidade e, por muito complicado e assustador que isso possa parecer, terminar a relação.
- Eu não deixei de gostar da minha mulher. Pode ter passado aquela paixão do início, mas eu amo-a!
- Parece que estás a dizer isso a ti próprio, e até compreendo que queiras mesmo acreditar nisso, mas se quando estás com ela, já não surge em ti qualquer impulso que te puxe para ela. Quando já não tens motivação para a fazer feliz e se calhar até já tens alguma para a fazer infeliz, isso já não se pode chamar amor. Já é uma questão de conforto e habituação. Se calhar até de medo da mudança.
- Não me passa pela cabeça deixar a minha mulher, perder tudo o que construímos juntos. Não a quero perder! Também não consigo andar, falsamente e por obrigação, sempre agarrado a ela como dantes. Acho que era uma hipocrisia passar a vida a fingir, fazer-lhe um mimo só por obrigação quando isso não surge espontaneamente.
- Lá está, se não surge de forma espontânea, se calhar já não estás lá a fazer nada. Se calhar mais vale libertá-la para que ela possa procurar o que precisa. Para que possa colmatar as suas carências. Claro que isso para ti é inconcebível, mas já se está fora de questão deixá-la, assim como dar-lhe o que ela precisa, acho que a única solução seria fechar os olhos e deixá-la resolver as suas carências como achar.
- Como é que com tanta inteligência consegues ser tão estúpido? Isso era mais que meio caminho andado para ela me dar com os pés! Não inventes, o que eu tenho que fazer é controlá-la, não é tentar satisfazê-la.
- É a tua opinião, a tua visão das coisas. Não vou ter a presunção de que é obrigatoriamente a minha visão que está certa e a tua errada, mas definitivamente discordo. Mas mesmo que tenhas razão, que o caminho que apresenta melhores resultados seja o controle, face à satisfação, ou pelo menos à tentativa de satisfação, não será também o caminho mais difícil para ti? Mesmo apresentando os melhores resultados, isso implicará ser a melhor escolha? Acho que não. Para começar, só conseguirias um controle a cem por cento se a vigiasses vinte e quatro horas por dia, e isso é impossível. Assim, será sempre uma fonte de stress, de desconfiança. Acho que deve ser horrível ela ir, por exemplo, ao cabeleireiro e tu ficares a matutar se ela lá terá ido mesmo. Acho que o método do controle só te causa preocupações, enquanto que se confiasses nela e no facto das carências dela estarem minimamente satisfeitas; digo minimamente porque também não acredito que ela vá procurar outra pessoa só porque não lhe deste um abraço e um sorriso quando chegaste a casa ou porque não lhe telefonaste durante o dia, acho que para correres esse risco é porque realmente existe um padrão de comportamento que não a faz feliz; viverias muito mais tranquila e descontraidamente.
- É impossível fazê-la feliz!!! Ouviste alguma coisa do que te disse? É uma missão impossível! A única solução é proteger-me e não lhe dar abébias. Controle!
- Só tu é que podes fazer essa opção, mas pensa quão mais tranquila seria a tua vida sem esse medo? Quão mais feliz serias sem esse fantasma? Acho até que se conseguirias ser tão mais feliz que até poderia voltar o ímpeto de a mimar. Quem sabe não é esse o segredo para reatar a paixão. Tenho a certeza que pelo menos terias mais energia para colmatar as carências dela e resolver os problemas dentro da relação, se não gastasses tanta a tentar envolver a relação numa redoma para a proteger das ameaças externas. Em suma, a melhor maneira de proteger a relação é resolver os problemas internos. E quando digo resolver, não me refiro a tratamento sintomático, em que apenas consegues, pelo menos aparentemente, resolver os sintomas, a manifestação do problema, sem resolver a sua origem. O que tu tens que resolver é o cerne da questão, aquilo que te obriga a esse controle. Resolvendo a origem do problema já não precisas que despender tanta energia a controlá-la. Acho mesmo que seriam ambos muito mais felizes.
- E tu a dares-lhe… A origem do problema não tem solução! Se eu começar a dar-lhe mimos ela vai sempre achar que são poucos. Nunca vou conseguir dar-lhe atenção suficiente de forma a satisfazê-la. Não me chateies mais com esse assunto, não há volta a dar. Rédea curta! Não vou também ser presunçoso ao ponto de achar que é a minha visão das coisas que está certa, mas está! É a única maneira.
- Tudo bem, fecha-se aqui o assunto. Não te chateio mais, mas faz-me confusão como é que se consegue viver assim.
- Daqui a uns anos voltamos a falar nisto.

8 comentários:

Guy Pascoal disse...

Aguardo ansiosamente o post que explicará o que necessita a mulher de fazer para o homem ficar feliz...;)

Tindergirl disse...

Eu também gostava muito de saber. Aliás, ultimamente acho que cada vez entendo menos os homens ou se calhar até estou a entender e não gosto da realidade :)

Rodovalho Zargalheiro disse...

Acho que, no fundo, o que a mulher precisa de fazer para o homem ficar feliz é o mesmo que o homem precisa que fazer para a mulhar ficar feliz... só que com um bocado mais de sexo.

Tindergirl disse...

Não me parece tão simples...
Assim até parece que as mulheres não gostam de sexo. Acho que é essencial que gostem de fazer as mesmas coisas.
Ex: Eu gosto de praia e ele não. Eu gosto de ir a alguns concertos e ele não. Eu gosto de dançar e ele não. Eu gosto de dormir até tarde e ele não. Eu gosto de ir ao cinema e ele prefere ver filmes em casa. Eu sonho muito e ele não entende os meus sonhos...

Guy Pascoal disse...

Se existem essas diferenças todas, porque é que gostas de uma pessoa que não faz e não gosta das mesmas pessoas que tu? Como é que se controla isso?

Tindergirl disse...

O que tem acontecido é que as pessoas que encontrei que gostam de fazer as mesmas coisas que eu, são sempre só amigos, não sei porquê

Guy Pascoal disse...

Pois...Por isso é que por mais posts que se escrevam, por muito que se diga e ja tenha sido dito por milhares de pessoas ao longo dos tempos, aquilo que me faz a mim feliz será sempre diferente do que te faz a ti feliz. Ao mesmo tempo, as razões, os motivos, aquilo que me faz gostar de alguem, mesmo que depois venha a descobrir que não faça ou goste das mesmas coisas que eu, será sempre inexplicavel! Quantas pessoas já perguntaram a si mesmas o porquê de gostar de alguem e não sabem responder! São felizes essas pessoas? Se calhar são...ou então não :)

Rodovalho Zargalheiro disse...

Embora se torne cada vez mais difícil com o passar do tempo, creio que o segredo será, talvez, concentrarmo-nos nas convergências e não nas divergências.