sexta-feira, 29 de dezembro de 2006

Diálogos

- Faz-me confusão que, tendo tu já mais de trinta anos, os teus pais não saibam que fumas.

- Já reparaste que, quando passas muito tempo com uma pessoa, é como se ela deixasse de ter corpo? Deixa de ser bonita ou feia, gorda ou magra; passa a ser apenas aquela pessoa. Deixamos até de perceber diferenças físicas.

- Porque é que fazes isso? Decorre um momento de silêncio em que estamos com os nossos pensamentos e, quando eu digo alguma coisa, tu ages como se eu não tivesse falado e dizes outra coisa qualquer. Eu sei que deve ser na sequência do que estavas a pensar, mas não é simpático ignorares totalmente o que eu disse.

- Desculpa, é completamente instintivo. Mas eu ouvi o que disseste, sobre os meus pais não saberem que eu fumo. Acho que já passei a idade de lhes dizer.

- É verdade, quando te habituas a ver uma pessoa, ela deve passar para outra região qualquer da memória. Mesmo que inicialmente aches seja bonita ou feia, acabas por deixar de perceber isso bem. É aquela pessoa e pronto, o aspecto físico deixa de ter significado.

- Outra coisa é o toque. Não sei se sentes isso, mas a sensação das primeiras vezes que cumprimentas uma pessoa com contacto físico, um aperto de mão ou um beijinho, muda com a frequência do contacto. Acho que no limite, será como se fosses tu próprio a tocar-te. A minha teoria é que para um casal que já esteja junto há várias décadas, a sensação do toque do outro será a mesma do próprio.

- Acho que nunca passa a idade de se ser sincero. E a verdade é que eles são bem capazes de já saber, ou pelo menos desconfiar.

- Pois, isso é capaz de ser tudo verdade, mas tu nunca mais vais ter a sensação de fumar um cigarro às escondidas.

- Eu acho que cada pessoa tem algo como uma assinatura energética única que é minimamente perceptível ao toque. E sim, acho que é um fenómeno semelhante. Quando te habituas à assinatura energética de uma pessoa começas a senti-la menos.

- Acho que faz bastante sentido.

- Pois é... Nunca mais...

- ...

- ...

segunda-feira, 18 de dezembro de 2006

Vida

Barco à deriva,
Ao sabor das ondas,
À mercê dos ventos,
Entregue às correntes.
O barqueiro invoca todas as suas forças,
Estoicamente, agarra-se ao leme,
Mas é uma minúscula embarcação.
Que pode ela fazer contra a força dos elementos?
Que pode o barqueiro fazer?
Contra os demónios que o atormentam,
Contra os pensamentos que não o largam,
Contra as emoções que o arrebatam.
Fará o que pode,
Confiará na boa vontade dos gigantes.
Continuará agarrado ao leme.
Qualquer que seja a costa,
Qualquer que seja o porto,
A que os ventos o entreguem,
Render-se-á a seu talante,
Apenas pode tentar,
Tentar não naufragar.

sábado, 16 de dezembro de 2006

Diálogo

- Estás a dormir?

- ...

- Estás, não estás?

- ...

- Não faz mal, é quando consigo falar melhor contigo. Gosto muito de ter estes momentos para falar contigo. Acho que conseguimos mesmo estabelecer uma ligação, um entendimento.

- ...

- É isso. Sabes, tenho andado um bocado farto de tudo. Não ando deprimido nem nada, só um bocado desanimado. E já sei o que estás a pensar, ficas logo a pensar que já não te amo ou qualquer coisa assim. Não é nada disso, acho que, apesar das nossas divergências, conseguimos fazer a coisa resultar e estou muito satisfeito com o que construímos. O que me apetecia era mudar de vida, mudarmo-nos para outro sítio, para o campo, talvez...

- ...

- Eu sei, eu sei, tens muito medo das mudanças, mas eu preciso tanto delas, não consigo aguentar muito tempo a ter dias sempre todos iguais, ano após ano. E além do mais, estamos na era da comunicação. Ir viver para outra cidade, ou até mesmo para outro país, não é a o que era. Agora é muito fácil manter o contacto com as pessoas de quem gostamos. A província... apetecia-me mesmo deixar a cidade. Ir viver para uma aldeiazita recôndita num canto qualquer lá para o Norte. Viver da terra e tal.

- ...

- Não precisas de dizer, eu sei que iamos sentir falta dos concertos, da cultura, do cais... mas podíamos sempre vir passar um fim-de-semana ou umas férias a Lisboa. Já imaginaste? A paz, as estrelas, os grilos, o ar puro... o verde... Acho que não sentiria falta de nenhuma comodidade, cada vez estou mais desligado delas. Aliás, tenho a certeza que iamos chegar à conclusão de que não precisamos da grande maioria das coisas sem as quais achamos que não conseguiriamos viver felizes.

- ...

- Pelo menos não estás já a arranjar argumentos sem sentido, é uma das razões que faz com que seja muito mais fácil falar contigo nestas circunstâncias, parece que entendes melhor as coisas, que a conversa é muito menos tortuosa. Pelo menos não vens logo com as tuas ideias preconcebidas e os teus estereotipos, com a tua mania de que o mundo tem que ser exactamente aquilo que o teu discernimento te permite inferir dele. E fico muito contente por não estares já a destruir a minha ideia. Até acho mesmo que, já que não te estás a opor, devíamos vender a casa e comprar um terreno na província. Plantarmos a nossa horta, tudo biológico, claro, até podíamos ter uma cabra para dar leite...

- ...

- Já nos estou a imaginar, a passar os serões envolvidos pelos cheiros da natureza, ver a Lua aparecer por detrás do monte, com os cães e os gatos à nossa volta. Eu podia escrever, tu podias fazer aquelas esculturas horríveis e inúteis que tanto gostas de fazer, e a vida seria boa. Não é um belo pensamento?

- ...

- Nem imaginas como fico contente por não discordares. Está decidido então, amanhã pomos a casa à venda e vou começar a procurar um terreno com uma casita para comprarmos. Agora só espero que amanhã não me venhas com as tuas mudanças de opinião da noite para o dia!

terça-feira, 12 de dezembro de 2006

Definição de ... enxergar


v. tr.,
ver a custo, com dificuldade;
entrever;
divisar;
avistar;


fig.,
pressentir
;
adivinhar;
perceber;
entender.