sexta-feira, 4 de fevereiro de 2005

Rasputin

´Temo que morrerei antes de 1 de Janeiro. Se sou morto por plebeus e especialmente pelos meus irmaos, os camponeses russos, nada terás a temer. O teu trono será estável por mais 100 anos e o teu filho tornar-se-á imperador e Czar. Mas se sou morto às maos dos nobres, entao o meu sangue permanecerá nas suas maos por mais 25 anos. Terao de abandonar a Rússia, irmaos lutarao contra irmaos, o ódio dividirá as famílias e o país perderá a sua nobreza e o seu império…´

Ao mesmo tempo que Rasputin previa tal futuro para a Rússia, a sua morte estava a ser planeada pelos membros da nobreza..

A data escolhida foi 29 de Dezembro de 1916. Rasputín chegou ao palácio, situado fora da cidade, com um único propósito: seduzir a princesa
Era exactamente meia noite quando chegou. Foi acompanhado a um salao inferior, afastado da área principal, na zona dos sótaos, com a desculpa de que era ´o primeiro convidado a chegar´.
A verdade é que haviam mais convidados.. Rasputín matou o tempo de espera bebendo vinho e comendo, sem saber que no mesmo vinho e comida havia cianeto de potássio suficiente para matar 10 homens quase instantáneamente.
Do outro lado do palácio, os involucrados no complot esfregavam as maos de contentes. Depois de esperarem meia hora, o Príncipe Yussopov desceu com a convicçao que iria apenas confirmar que Rasputin estava morto. O seu assombro nao teve limites quando o viu sao, salvo e pedindo mais vinho, uma vez que ´a garganta lhe ardia como fogo´.
O príncipe serviu-lhe mais vinho e correu escadas acima para informar que ´Rasputin era imortal e o veneno nao fazia efeito´ Houve um momento de pânico entre os nobres. O Duque Purishkevich foi o primeiro a reagir. -Vai e mata-o -disse entregando um revólver a Yussopov. Por segunda vez desceu ao salao inferior, onde Rasputin continuava a beber o vinho com os olhos mais brilhantes e magnéticos que nunca.
-Parece que me queres dizer qualquer coisa – disse sarcásticamente enquanto cravava os olhos no príncipe.
Este tremeu dos pés à cabeça..
´Olha para aquela parede´disse a Rasputin
Rasputín desviou o olhar para o quadro que lhe mostrava e nesse momento Yussopov disparou 3 vezes o revolver na direcçao das suas costas. Aparentemente Rasputin caía morto ..Imediatamente os nobres cantaram vitória e chamaram um médico que confirmasse a morte do sábio louco. "Está clinicamente morto" disse o médico entregando o certificado de óbito.
Assim que o médico se retirou do palácio, os nobres dedicaram-se a uma brutal e horrenda orgia alcohólica junto ao cadáver. Aguardaram até às 3 da manha, hora em que pensavam lançar o corpo ao rio Neva. Qual nao foi o horrible espanto de todos quando Rasputin se levanta, ensanguentado mas vivo! Todos, menos Yussopov fugiram de imediato. Este ficou paralisado de medo enquanto Rasputin lhe arrancava tecido do ombro esquerdo do uniforme.
O príncipe escapou correndo e gritando pelas escadas acima enquanto Rasputin o perseguia rindo e gritando, ensanguentado, com as maos estendidas como garras em direcçao ao seu inimigo.Yussopov fechou as portas do salao, apenas para que Rasputín as arrancasse dos ferrolhos com a força de um demónio. Os outros nobres vieram em auxílio do príncipe e agrediram Rasputin violentamente. Este caiu ao chao e aí mesmo foi violentamente golpeado na cabeza por Purishkevich. Como se nao bastasse, chamaram ainda os soldados que, com barras de ferro, partiram todos os ossos do suposto cadáver..

Pegaram no gigantesco corpo que nao parava de sangrar e levaram-no até ao rio para o sepultar... Só para descobrirem que Rasputin ainda respirava! Abriram um buraco no gelo e aí mesmo sepultaram o monge louco. Disse quem assistiu que enquanto o corpo descia pelas profundezas daquelas águas se ouviu uma arrepiante gargalhada..O seu corpo foi descoberto apenas alguns dias depois. Com um braço a sair do buraco feito no gelo e os dedos unidos em gesto de bendiçao.

Inconsolável, a Imperatriz Alexandra enterrou Rasputín com honras de estado.
O azar abateu-se sobre a nobreza e a Casa Real pouco depois da sua morte e tudo aconteceu tal qual havia previsto.A revoluçao fez desaparecer a família imperial em Outubro de 1917. Os nobres foram assassinados em massa. Os poucos que conseguiram escapar confirmaram a premoniçao do monje que nao podia morrer e a maldiçao que fez cair sobre eles: ´Desaparecerá toda a nobreza russa´.
Pois

3 comentários:

Funny Analana disse...

crrepy!!!!!!!!

Omar Muharib disse...

Arrepiante história Rita, ¿Pode me dizer de onde a tirou?, gostaría de ler mais acêrca desse extranho homen.

Aksínia disse...

gostei do post. Gosto de tudo que diz respeito ao Rasputin. Também no meu blog postei sobre ele. Passa por la depois. Abraços